segunda-feira, 13 de julho de 2009

Adilson será o primeiro brasileiro?

Por: Rafael ZitoNa quarta-feira, o Cruzeiro tem uma decisão pela frente diante do Estudiantes, no estádio do Mineirão. Depois de empatar por 0 a 0 o primeiro jogo da final da Libertadores, em La Plata, na Argentina, o time mineiro recebe os argentinos para decidir o título aqui no Brasil. Essa é a chance para Adilson Batista se tornar o primeiro brasileiro a conquistar o feito inédito na carreira de ser o primeiro a ser campeão da Libertadores como jogador e também como técnico.

Em 1995, Adilson era um dos zagueiros titulares do Grêmio campeão da competição continental diante do Atlético Nacional, da Colômbia. Além de ser titular, Adilson era o capitão daquele Grêmio comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Naquela decisão, o Grêmio bateu o Atlético por 3 a 1 no estádio Olímpico e, em Bogotá, o time gaúcho conquistou um empate por 1 a 1 e sagrou-se bicampeão da América. Aquele Grêmio campeão tinha a seguinte formação: Danrlei, Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Luiz Carlos Goiano, Carlos Miguel e Arílson; Paulo Nunes e Jardel.

Em 49 edições da Libertadores, apenas três profissionais conquistaram o título da competição como jogadores e depois quando se tornaram técnicos. Se vencer o Estudiantes na quarta-feira, Adilson entrará para um grupo restrito formado pelos argentinos Nery Pumpido e Humberto Maschio e pelo uruguaio Luís Cubilla. Ou seja, Adilson pode ser o primeiro brasileiro a colocar seu nome para a história. O primeiro a chegar a essa condição foi o argentino Maschio. Ex-volante do Racing Clube, campeão da Libertadores em 1967 sobre o Nacional (URU), Maschio se tornou técnico e comandou o Independiente na conquista de 1973, contra o Colo Colo (CHI).

O segundo profissional a atingir esse feito foi o uruguaio Cubilla. Não só chegou, mas obteve conquistas que dificilmente será ultrapassado. Cubilla foi tricampeão como jogador e ganhou duas vezes como técnico. Quando ainda era volante, o uruguaio levantou as taças de 1960 e 1961 pelo Peñarol, com vitórias sobre Olímpia e Palmeiras, respectivamente, e 1971 pelo Nacional, batendo o Estudiantes. Depois desses três títulos, Cubilla se tornou treinador e ergueu o troféu mais duas vezes. Em 1979, Cubilla comandava o Olímpia campeão diante do Boca Juniors em dois jogos. Em seguida, 1990, à frente do mesmo Olímpia, Cubilla foi campeão sobre o Barcelona (EQU), seu último título do torneio sul-americano.

O último a atingir esse status foi o ex-goleiro Nery Pumpido, campeão pelo River Plate, em 1986, em cima do América de Cali, defendendo a meta do clube argentino. Após 16 anos, Pumpido estava no banco de reservas do estádio do Pacaembu em 2002, quando o Olímpia superou o São Caetano e deu a Pumpido seu segundo título na carreira, o primeiro como treinador. Depois de perder no Paraguai, por 1 a 0, o Olímpia conseguiu bater a equipe brasileira, em São Paulo, por 2 a 1 e levou o troféu na disputa de pênaltis com uma vitória de 4 a 2. Na quarta-feira, Adilson Batista pode ingressar essa lista, caso o Cruzeiro conquiste o tricampeonato sul-americano, o primeiro de Adilson como treinador.

Imagens:
Adilson Batista - Rejane Araújo / VIPCOMM

6 comentários:

Bruno Zanette disse...

Foi bom lembrar aqui aquele timaço bicampeão sul-americano. E torço muito para que o Adilson consiga esse feito inédito para o futebol brasileiro.

Abraço!

Esteban disse...

aunque esta copa tuvo un nivel pobre, ahora alla en cancha de cruzeiro se decidira todo...
creo que a Estudiantes le afectará un poco esto de jugar en un estadio tan amplio, aunque veremos como le va
saludos

http://d-coleccion.blogspot.com/

Rafael Petry disse...

Me add!vou adicionar voces.

http://maquina-alvinegra.blogspot.com/

Loucos por F-1 disse...

Acho muito difícil este título escapar das mãos do Cruzeiro. É bem provável que Adilson seja o primeiro brasileiro a vencer a Libertadores como jogador e técnico.

Abraço!

Leandro Montianele

Alexandre disse...

Zito,

confesso que estou preocupado, viu. Se o Cruzeiro e o Estudiantes terminarem o primeiro tempo em 0x0, temo que fique uma pressão grande sobre os mineiros. E temo mais ainda caso o Cruzeiro saia em desvantagem. Será que tem cabeça para reverter?

Abraço

Thiago Fagnani disse...

Adoro a história da Libertadores!

E to achando que o time de La Plata leva essa!

Boa Zitão!

BlogBlogs.Com.Br