quarta-feira, 18 de junho de 2008

Mudança? Se alguém viu, eu não vi!

Por: Rafael Zito

Muito se falou sobre o desempenho da seleção brasileira no confronto diante do Paraguai. As reclamações foram as mais diversas: desde covardia até falta de empenho. Ouvi alguns falarem que pelo menos no jogo contra a Argentina não faltou vontade. Desde quando ter vontade é algo para ser reverenciado? Se alguém viu alguma mudança que me desculpem, mas, para mim o desempenho foi ridículo da mesma forma que na derrota para os paraguaios por 2 a 0.

Quem duvidava que os jogadores correriam mais? Que teriam um estimulo extra e uma determinação diferenciada? Estava muito claro que isso iria acontecer, já que nesta jornada estaríamos jogando dentro de casa, com o Mineirão lotado empurrando o Brasil para frente. Se não mostrassem essa vontade era melhor que ficassem em casa porque ficaria evidente a falta de interesse pela seleção. Esse tipo de postura é obrigação, jamais um mérito!

Acredito que os que contestam a falta de interesse dos jogadores brasileiros se equivocam. Acho sim que o desejo desses jogadores em defender a seleção continua muito grande, porém, só vontade e desejo não adiantam. O futebol moderno requer um mínimo de organização e a seleção do Dunga novamente se mostrou um catado em campo. Jogadores perdidos que não sabem para onde correr, a hora de avançar, enfim, o posicionamento nessa seleção é não ter posicionamento.

A Argentina só não venceu porque também não vive um bom momento. Mas, mesmo assim manejou a bola da forma que bem entendeu. Se Alfio Basile é contestado, pelo menos taticamente seu time é muito bem postado, inclusive, com variações táticas interessantes. De acordo com as circunstâncias do jogo o 4-4-2 se transformava num 3-5-2 com Zanetti avançando para bater de frente com Gilberto e Gutierrez recuando para fazer a ala-esquerda e barrar Maicon. Em outras ocasiões, Gutierrez avançava e Heinze virava lateral-esquerdo, formando uma linha de quatro com Zanetti, Burdisso, e Collocini.

Não vivemos de perto o momento da seleção argentina, mas, é compreensível que questionem o treinador. Já quanto ao Brasil não acredito que estejamos certos em criticar um técnico, pois esse cargo está vago na seleção canarinho desde o final da Copa do Mundo de 2006. O cargo de técnico da seleção brasileira é para um profissional. Seleção não foi feita para estagiário começar sua carreira. Estamos fora dos trilhos, sem rumo. Dunga só se mantém como técnico porque satisfaz aos interesses dos poderosos da CBF. Com os jogadores, Dunga se mostra um leão, enquanto isso com a chefia é mansinho como um gatinho. Acorda Brasil! Porque dessa vez acho difícil encontramos outro Felipão para salvar a pátria.

4 comentários:

Thiago Fagnani disse...

Akguém viu um homem de ligação perdido por aí??

O que houve ocm o Robinho??

Por que tirou o Diego e colocou o :D.Alves???

Ta feio o negócio...

gerson disse...

Sobra correria e força para o Brasil e falta futebol. Aí fica difícil. e concordo com as indagações do Thiago.

Ajude o “Limpo no Lance” a ter um texto no livro do centenário do Inter. Acesse o blog e veja como.Seu voto é muito importante!
Conto com tua visita

Sabrina Machado disse...

Belo texto Rafa....

parabéns..meteu bronca...

concordo com vc qnd diz q o cargo está vago desde o final da copa...

Nd contra os laterais, mas o campeonato brasileiro tem laterais mto melhores do que maicon e gilberto.

E o camisa 10???

Dessa vez foi o baptista...e por incrível q pareça foi o melhor em campo na minha opinião...

mas uma seleção q depende do Júlio Baptista não é seleção.

Se a argentina forçasse um pouco mais teria ganho o jogo, fácil...

Essa seleção brasileira já tá errada pelo goleiro...

técnico então...nem tem

e o gilberto silva???

não acerta um passe de 3 metros....

MEU DEUS??? O Q É ISSO???

Lucas Renato disse...

O Rafa, esse texto aí parece que você tá conversando comigo e despachando bronca pra todos os lados, ahaha!!

Abraçosssss

BlogBlogs.Com.Br