quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

O Fenômeno não ressurgiu

Por: Carlos Eduardo


Dessa vez foi diferente. Quem esperava mais uma vez a superação de Ronaldo para vencer as lesões e brilhar em um momento decisivo teve suas expectativas frustradas.

O atacante do Milan da Itália, eleito por três vezes o melhor jogador do mundo, sentiu novamente o problema na panturrilha que o tirou de combate nas últimas duas semanas e está fora do Mundial de Clubes.

O Fenômeno, que está com a delegação do Milan no Japão, v
inha alimentando a esperança de voltar a jogar no International Stadium de Yokohama, estádio onde marcou os dois gols da vitória do Brasil por 2 a 0 sobre a Alemanha, na final da Copa do Mundo de 2002. Na ocasião, o craque havia retornado aos gramados após dois anos se recuperando de cirurgias no joelho.

O ano de 2002 realmente foi marcante para Ronaldo, não só pelo heroísmo de sair do poço e chegar ao topo, mas por marcar o fim de uma era de muitas glórias. O Fenômeno se transferiu no começo da temporada 2002/03 para o Real Madrid da Espanha, onde atuou até este ano de 2007, mas nunca mais foi o mesmo.

O que se viu durante esses cinco anos, foram apenas lampejos do talento que Ronaldo havia apresentado para o mundo até então. Logo no primeiro ano, ele conquistou a artilharia e o título do Campeonato Espanhol, porém, não tardariam a chegar as adversidades. Após esse feito, o jogador enfrentou crises em seu clube, muitas contusões e ganhou alguns quilos na balança. Mesmo jogando um futebol pouco convincente, o craque participou da Copa do Mundo da Alemanha, no ano passado, quando balançou a rede três vezes, consagrando-se como o maior artilheiro da história das Copas, com 15 gols.

Com a eliminação precoce do Brasil nas quartas-de-final do Mundial, Ronaldo permaneceu no Real Madrid por mais um ano, enfrentando os mesmos problemas, até ser transferido para o Milan, em janeiro deste ano.

Na Itália, o jogador buscou novos ares, ajudou o Milan a conquistar uma vaga para a Liga dos Campeões após o clube ser punido com a perda de pontos no Campeonato Italiano, por envolvimento em escândalos de arbitragem, mas as contusões não o abandonaram.

Ronaldo passou quase quatro meses de molho por problemas musculares na coxa direita. Voltou a atuar na vitória por 2 a 1 contra o Cagliari, no dia 25 de novembro, pelo Campeonato Italiano. Três dias depois, quando se aquecia no vestiário para o confronto diante do Benfica, pela Liga dos Campeões, sentiu uma fisgada na panturrilha, que agora o tira do Mundial de Clubes.

Mesmo vivendo essa tormenta com inúmeras lesões, Ronaldo ainda é visto como um dos atacantes mais perigosos do mundo e muitos o apontam como o jogador ideal para reassumir o posto de camisa 9 na Seleção Brasileira, que hoje oscila entre Vagner Love e Luis Fabiano.

É certo que as limitações físicas estão fulminando o Fenômeno e que dificilmente ele voltará a jogar pela Seleção. No entanto, em se tratando de Ronaldo e sua história, é praticamente proibido duvidar de seu poder de superação.

Imagens:
www.globoesporte.com
www.jbonline.terra.com.br

6 comentários:

Lucas Renato disse...

Obrigado, muito obrigado.

Carlos Eduardo disse...

Eu é que agradeço... Sempre!!

Rafael Zito disse...

Fenomenal!!!

Nao o Ronaldo, mas o texto do dignissimo Carlos Eduardo.

Infelizmente o Ronaldo já não é mais o msm e acho q dificilmente voltará a ser. Fica na memoria as lembranças de tudo q ele fez pelo futebol mundial.

Thiago Fagnani disse...

E tem gente querendo sua volta na seleção......

Thiago Fagnani disse...

E tem gente querendo sua volta na seleção......

Felipe Simi disse...

É, meu caro Carlos Eduardo, o Fenômeno não é mais o mesmo. Entretanto, enquanto seu nome puder ser visto em campo sobre o número 9, ele estará vivo. E é bom saber disso.

Um abraço!

BlogBlogs.Com.Br