terça-feira, 17 de março de 2009

Eu me rendo!

Por: Leandro Miranda

Nunca fui fã do futebol de Filippo Inzaghi. Talvez porque seja muito difícil descobri-lo, e muito mais difícil admirá-lo. Mas o futebol está lá, escondido em algum lugar do desajeitado e aparentemente sortudo centroavante italiano; para vê-lo, é preciso um olhar diferente.

No último domingo, dia 15 de março, Pippo alcançou a expressiva marca de 300 gols na carreira profissional, ao anotar dois na goleada do Milan sobre o Siena, por 5 a 1. Como um atacante sem qualidade técnica e desajeitado com a bola nos pés pode fazer 300 gols na carreira e ser ídolo de um dos maiores clubes do mundo? Ele não tem a arrancada de Ronaldo, a categoria de Henry ou a rapidez de Torres. Aliás, não tem nem tamanho. Então, como? Tive que me render: Inzaghi é um gênio.

As qualidades de Inzaghi são de um tipo muito menos óbvio do que as que estamos acostumados a ver nos grandes atacantes. Ele parece sempre estar no lugar certo para desviar, seja de bico ou de canela, para o fundo do gol. Não pode ser sorte 300 vezes, certo? Inzaghi tem um senso de posicionamento e deslocamento fenomenal, que compensa sua limitação técnica. Se pegar a bola de frente para o zagueiro, provavelmente vai correr com ela sem produzir muito perigo. Mas, posicionado na linha do último homem da defesa, tem um poder de se desmarcar na hora certa talvez maior que o de Ronaldo. Assim como Romário, seu instinto dentro da área faz com que se mova quase inconscientemente para o local onde a bola terá a maior probabilidade de aparecer após um bate-rebate.

Mas o que o torna realmente genial é a compreensão de seus próprios limites. Ele não tenta o que sabe que não consegue fazer. Como, ironicamente, não consegue fazer muita coisa além de gols - muitas vezes, gols cruciais, graças à sua determinação e constância impressionantes - compensa dando 100% de si em cada jogada, cada bola que parece perdida, cada dividida com zagueiros com o dobro de sua estatura. Raçudo, grosso, eficaz, atrapalhado, inteligente, genial. Eu me rendi ao Super Pippo neste último domingo!

Sem contar o que são engraçadas as comemorações! Todo gol é gol de final de Copa do Mundo para Inzaghi. Considerando que ele não sabe fazer 'mais nada' além de gol, é compreensível.

Imagem: Filippo Inzaghi - Agência/AFP

10 comentários:

Marcelo Braga disse...

Falta se render a Cristhian e a Edno haha
Muito bom o texto...Inzaghi realmente te um senso de posicionamento incrível e, se só sabe fazer gols, sabe fazer o que de mais importante tem no futebol.

Felippe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leandro Miranda disse...

Essa é a ironia: ele "só" sabe fazer gols.

Felippe disse...

Não existe rendição para quem nasce com talento...não existem dúvidas de quem prova a cada rodada seu valor...não deve haver ironias para quem usa da seriedade um dom exemplar no profissionalismo...este é SUPER "ALTA TENSIONE MIA" PIPPO INZAGHI... alguém acima da média e que não precisa de estrelismos, mídia ou audiência de you tubes ou winning elevens para ser considerado craque ou genial.. craque ou gênio não é aquele que faz malabarismos, dribla bonito, chuta de forma espetacular...craque é aquele que usa seu dom da forma mais majestosa possível e ainda decide...e este é INZAGHI 300...o Guerreiro Imortal de uma última saga de exércitos de grandes soldados do futebol italiano !

Sabrina Machado disse...

Bem Vindo, Leandro...

Acho que me rendi ao Inzaghi depois do seu texto...hehehe

É verdade, ele não é o estilo de jogador que cria admiração.

Mas é diferenciado por tudo o que você disse e também por causa da inteligência e tranquilidade na hora de definir os lances.

Rafael Zito disse...

Grande Leandro Miranda... soh digo q vc chegou chegando!!! Eu q me rendo a vc agora hahaha


Cara otimo texto e td q vc falou do inzaghi eu assino embaixo.

E as comemorações dele são algo q emociona... ele transpira emoção... sente o jogo... curte o momento.

um abraço companheiro e bem vindo companheiro... "a referência"

Anselmo disse...

Inzaghi não é um gênio. Se você me disser que ele é melhor do que o Túlio Maravilha, vou te dar razão com folga. Em relação ao Romário e ao Ronaldo, acho que a gente sofre de uma dificuldade pra comparar. é que ambos, um pela idade outro pelas contusões, deixaram impressões não tão boas recentemente. Ainda assim, antes que alguém pergunte, Romário foi mais jogador dentro de campo do que Ronaldo.

Mas 300 gols são 300 gols. É fato que o cara merece homenagens. Pra eu chegar a isso, preciso juntar todo o meu histórico no colégio, mais o futebol de botão e as partidas de pebolim (ou totó).

Leandro Miranda disse...

Melhor que o Romário e o Ronaldo evidentemente que o Inzaghi não é; só comparei UM atributo de cada craque com as qualidades do italiano (o poder de desmarcação de Ronaldo e o instinto dentro da área de Romário). A idade do Baixinho e as contusões do Fenômeno (melhor atacante que eu já vi) não distorceram a análise. Valeu!

Marcel Jabbour disse...

Muito fraco tecnicamente, mas, sem dúvidas, raçudo. Artilheiro nato.

Abração

diletra.blogspot.com

Felipe Simi disse...

Concordo também, apesar de nunca ter me interessado em obersvá-lo em campo. Mas, pelo que vi nestes comentários, não fui o único.

Talvez aí esteja seu talento! Inzagui, aos 33 anos, consegue fazer história 'calado' em um tempo em que o futebol-negócio supervaloriza alguém como Neymar, de 17.

Parabéns pelo texto, Leandro.

BlogBlogs.Com.Br