segunda-feira, 30 de março de 2009

Taça Brasil e "Robertão": unificar ou não?

Nesta segunda-feira, o Blog Jornalismo Esportivo convidou o jornalista Thiago Fagnani, ex-integrante deste blog, para debater sobre um assunto polêmico discutido em demasia na última semana. Segue abaixo o texto do Thiago e, na sequência, o blogueiro Rafael Zito também deixará suas considerações sobre o tema.

Por: Thiago Fagnani
Realmente, esse assunto deu o que falar na última semana, portanto, serei bem sucinto nos meus comentários:

Estes títulos devem ser reconhecidos pelo simples fato de terem sido os campeonatos brasileiros da época. Ou não eram? Para não me acharem chato, admito que a Taça Brasil é passível de discussão, pelo simples fato de, em 1967, ter sido disputada no mesmo ano do "nascimento" do Roberto Gomes Pedroza. Alguns jornalistas falam que a Taça Brasil foi a percussora da Copa do Brasil pois, continha um regulamento idêntico do torneio atual. Mas se pararmos para discutir os torneios nacionais devido ao funcionamento de suas regras, ficaríamos dias e mais dias conversando sobre o assunto.

Na Libertadores de 1960, em sua primeira edição, o Peñarol foi campeão disputando apenas sete partidas, em jogos contra três times diferentes. Um dos times que participou foi o Jorge Wilsterman, da Bolívia. E daí, você deve estar perguntando? Este time foi campeão do torneio semi-amador de seu país, ou seja, não era nem profissional. Estes dados retiram o título do famoso Carbonero de Montevidéu?

Em suma, como havia prometido, se estas disputas não podem ser consideradas Campeonatos Brasileiros, por que os campeões disputavam a Libertadores? Pelé nunca foi campeão brasileiro? Na época não jogavam apenas os melhores da maioria dos estados?

Quando os clubes não resgatam suas histórias e valorizam seu passado, todos reclamam. Quando o fazem, reclamam também! Daí fica complicado. Vamos resgatar a história do nosso futebol, dando a ela seu merecido valor.

É UM GRANDE PRAZER ESCREVER NESTE BLOG NOVAMENTE, ESPERO SER CONVIDADO MAIS VEZES! UM GRANDE ABRAÇO À TODOS.

Por: Rafael Zito

É Thiago, realmente esse assunto é muito polêmico e com uma discussão que não tem fim, já que existem argumentos cabíveis de ambos os lados.

A meu ver, será um absurdo se a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) aceitar o dossiê pedindo a unificação dos títulos da Taça Brasil e Roberto Gomes Pedroza com os do Campeonato Brasileiro. Fico admirado como as pessoas tem dificuldade para tratar as competições com a nomenclatura de sua origem. Ser campeão da Taça Brasil e do "Robertão" em nada diminui os feitos das equipes, por isso, é inadimissível que os clubes venham solicitar que esses títulos sejam considerados Brasileiros. Que são conquistas nacionais, não há dúvidas, mas, não são Campeonatos Brasileiros.

O argumento que muitos usam e que, o meu caro amigo Thiago usou, é que eram os títulos nacionais da época. Inquestionável! Entretanto, só por isso deveria receber uma marca que nunca teve? A competição mais antiga do futebol mundial é a Copa da Inglaterra, criada em 1872, tendo como primeiro campeão o Wanderers. Na temporada de 1888/89 foi disputada a primeira edição do Campeonato Inglês, com o Preston North End levando a taça. Antes de surgir o Campeonato Inglês houveram 17 campeões da Copa da Inglaterra, porém, nenhum deles é considerado campeão inglês, nem por isso esses times são diminuidos pelos feitos que obtiveram.

Outra coisa estranha é o que o Thiago citou em seu texto. Como que um time pode ser "Campeão Brasileiro" duas vezes no mesmo ano? Pois bem, o Palmeiras conquistou a Taça Brasil e o "Robertão" de 1967. Os clubes que reivindicam esses títulos como Brasileiros são, inegavelmente, campeões nacionais, mas, pera lá, querer ser campeão brasileiro é querer um pouco demais.

O Campeonato Brasileiro surgiu em 1971 e só deve ser contado a partir desta data, entretanto, na minha opinião, com uma lacuna. Não quero me alongar nesta discussão, mas, também nao considero a conquista do Vasco da Gama, em 2000, já que naquele ano houve uma confusão envolvendo o Gama, que conseguiu uma liminar na justiça e não tivemos o Campeonato Brasileiro, mas, a Copa João Havelange, por causa disso, acho um erro a CBF considerar esse título.

Para finalizar vou apresentar mais um argumento. A Copa do Mundo de seleções foi organizada pela primeira vez em 1930. Nesta edição, o Uruguai foi o campeão, ou seja, o primeiro campeão mundial de seleções. Antes disso, não havia nenhuma competição considerada mundial, por isso, os títulos Olímpicos da própria Celeste não podem ser denominados Mundiais, mas, Olímpicos. Por favor, vamos tratar os campeonatos com os nomes que lhe foram dados. Isso não é esquecer da história, mas, resgatá-la da forma como foi escrita. O que essas agremiações estão querendo é reescrever a história a maneira que mais lhe interessam.

Para mim e para o Jornalismo Esportivo é um prazer ter a ilustre presença do jornalista Thiago Fagnani. Um amigo que faz parte da história do Blog JE e que segue seu caminho com o brilhantismo de sempre. Convido os leitores que não conhecem à acessar o blog do Thiago - www.fagnaniesporte.blogspot.com

Imagem:
Agência Estado

12 comentários:

Persio Presotto disse...

Zito, se a unificação for de direito, que seja feita. Mas, sinceramente, acho uma questão desimportante, que não resultará em nenhuma melhoria pro nosso futebol. Abraço, PP

Vinícius Faustini disse...

Vou botar um pouco mais de lenha na fogueira, mas relacionado a outro assunto. Discordo totalmente de quem não considera o título brasileiro do Vasco em 2000.

A mal fadada Copa João Havelange foi a única competição nacional nos moldes do Brasileirão, e, apesar de todos os imbróglios ocorridos, o Vasco venceu no gramado. Se o título não é reconhecido, proponho que você, Zito, não reconheça também o título do Flamengo em 1987 - principalmente porque nunca vi um time ser campeão FAZENDO UM W.O.

O regulamento do torneio de 2000 era esdrúxulo, mas o Vasco o cumpriu. Ele podia fazer o mesmo que o Flamengo fez em 1987 e, ao derrotar o Cruzeiro na semifinal, dizer que havia sido o melhor da Primeira Divisão e que não admitia enfrentar o São Caetano. Que, por sinal, havia sido o vice-campeão da Segunda Divisão - o primeiro foi o Paraná, que foi eliminado pelo Vasco em uma das fases de "mata-mata" do torneio.

Em relação à Taça Brasil e ao Torneio Roberto Gomes Pedrosa, acho sensacional que os clubes resgatem sua história. E, como disse o Persio, "se a unificação for de direito, que seja feita".

Abraços a todos,

Vinícius Faustini

www.otempoeoplacar.blogspot.com

www.diariodeumsalafrario.blogspot.com

www.emocoesrc.blogspot.com

Luiz Antonio disse...

Fala grande Zito. Bom,eu acho que este assunto é algo totalmente discutível. Porém, sou contra a unificação. Acho que cada campeonato teve sua época e isso deve ser deixado na história...
Ou outras equipes começarão a buscar títulos que já nem existem mais...

Cesar Candido dos Santos disse...

Unificar os títulos da Taça Brasil e do Robertão é o mesmo que tentar transformar Dom Pedro no primeiro presidente do Brasil... Cada momento teve sua importância (que deve ser lembrada) na história, mas não se deve misturar as coisas..

Marcelo Braga disse...

hahahahah
ótima comparação Cesar...
Acho uma besteira discutir isso...A CBF deveria começar a pensar na Copa de 2014, pq muitos assuntos mais importantes precisam ser debatidos.

Abraços

Maldita Futebol Clube disse...

Não acho justo...são contextos, epócas e administradores de competições diferentes, viviamos em uma epóca em referência ao esporte diferente. há bem pouco, duas décadas, não valorizavamos a libertadores! quem sabe naquela epoca clubes não priorizassem os estaduais e jogassem o s torneios nacionais para compor figuração?

Sabrina Machado disse...

César, então Dom Pedro não governou o Brasil???

Mesmo sendo imperador por causa do regime em vigor, ele foi o principal governante do país na época...

E se essas competições representavam o campeonato nacional da época, devem ser unificados sim!!!

É a mesma coisa de não reconhecerem Santos e tantos outros times como campeões mundiais...pois se era o campeonato que reunia os campeões dos continentes mais importantes do futebol deve ser tratado como mundial sim!!!

Felipe Simi disse...

Se a proposta é unificar, o objetivo deve ser igualar, padronizar, estabelecer semelhanças entre as competições.

Certo? Certo. Pois bem, não consigo ver nenhuma semelhança, seja do Roberto Gomes Pedrosa, da Taça Brasil ou da Copa João Havelange, com o Campeonato Brasileiro. A começar pelo nome.

Parabéns a todos pelos argumentos,
E valeu Fagnani.

Lucas Renato disse...

Amigos do JE, bom dia.

Não seria loucura reconhecer estes troféus como títulos brasileiros, no entanto isso não vai acontecer porque os únicos que querem esse reconhecimento são os clubes vencedores da época.

Imagina se Vasco, Flamengo, São Paulo, Corinthians e os outros vão aceitar isso. Claro que não. E a CBF não vai suportar a pressão deles.

Mas de qualquer forma, é uma tentativa válida.

Em tempo: Palmeiras, 10 conquistas nacionais.

Abraços a todos.

cesar afonço disse...

É um assunto muito complicado, mas acho que deveria ser unificado.

Como foi dito no post, era o campeonato brasileiro da época. Foi conquistado no campo.

Porém isso sempre vai gerar discussões. Uns aceitarão, outros não.

vlw abc

Marcelo disse...

É vamos unificar tudo, inclusive a "Copa do Brasil" com o Brasileiro, já que ela, a Copa do Brasil, também da uma vaga para a Libertadores, pq não a considerar também como tal.
Fala sério gente, como já disseram, cada título tem sua história, seu contexto, sua importância...
Unificar os títulos servirá apenas para alimentar o ego de quem está solicitando.

Anônimo disse...

Quando é que as pessoas vão se informar melhor e entender o que é pedido no dossiê??? Ninguém quer mudar o nome do título! Pede-se apenas o reconhecimento da importância do mesmo.

É melhor se informar antes de dar uma opinião.

BlogBlogs.Com.Br