quinta-feira, 31 de julho de 2008

O que acontece com os goleadores do Corinthians?

Por: Rafael Zito
O Corinthians está vivendo uma situação interessante com relação aos seus artilheiros em 2008. Dentinho é o goleador da temporada com 17 gols, seguido de perto por Herrera, com 13. A curiosidade é que na fase em que um está balançando as redes o outro fica na seca, fato que se explica por três ciclos vivenciados desde que começou o ano. Os fatores técnico e psicológico são aspectos que explicariam está constatação, no entanto, há também um argumento tático para tentarmos entender o porquê isso vem acontecendo.

Na oitava rodada do Paulistão, contra o Ituano, vitória por 2 a 1, o Corinthians entrou em campo com o seguinte time: Felipe, Willian, Chicão e Carlão; Alessandro, Bóvio, Fabinho, Lulinha e André Santos; Dentinho e Herrera. Este foi o primeiro jogo no qual a dupla Herrera e Dentinho iniciaram um jogo juntos. O Corinthians do Paulistão atuava no sistema 3-5-2. Neste esquema, Dentinho e Herrera eram os dois atacantes centralizados, com Dentinho caindo um pouco mais para esquerda enquanto Herrera ficava mais pelo lado direito. Neste período, o equivalente a 16 partidas (Ituano, Barras-PI, Bragantino, Portuguesa, Ponte Preta, Palmeiras, Guaratinguetá, Rio Preto, Juventus, Fortaleza, Rio Claro, Santos, Marília, Fortaleza, Noroeste e Goiás), Dentinho fez 6 gols, enquanto isso, Herrera anotou apenas 3.

Depois de perder a partida de ida da Copa do Brasil para o Goiás, por 3 a 1, e de ter ficado fora das semifinais do Paulistão, o técnico Mano Menezes teve 15 dias para trabalhar um time para poder reverter a situação complicada para o jogo de volta da Copa do Brasil, quando o Corinthians tinha a necessidade de fazer dois gols de vantagem sobre o time goiano para conseguir a classificação. Os 4 a 0 sobre o Goiás foram emocionantes para o torcedor, mas transpareceu muito mais do que isso, havia ali uma mudança tática. Foi o primeiro jogo com o esquema 4-2-3-1. A primeira fez que Mano abriu mão do sistema com três zagueiros. Desde então, o ‘Timão’ passou a mostrar um futebol um pouco mais vistoso, ofensivo.

É ai que há a inversão na trajetória dos goleadores do Alvinegro. Neste segundo ciclo, com Dentinho atuando aberto pela esquerda e apenas Herrera centralizado, o garoto fez só 2 gols e o argentino somou incríveis 10 tentos. Desde o segundo jogo das quartas-de-final da Copa do Brasil, os 4 a 0 no Goiás, até a 8ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o Corinthians se manteve neste sistema de jogo, no qual Herrera se destacava por estar sempre perto do gol, prova disso são os 10 gols em exatos 15 jogos (Goiás, São Caetano, CRB, São Caetano, Gama, Botafogo, ABC, Botafogo, Fortaleza, Sport, Barueri, Sport, Brasiliense, Ponte Preta e Bragantino). Enquanto isso, Dentinho atuava aberto pela esquerda e tinha poucas oportunidades de marcar os seus gols.

Na 9ª rodada da Série B, Mano Menezes alterou o esquema novamente, situação que fez com que iniciasse o terceiro ciclo da artilharia corintiana. No confronto contra o São Caetano, o treinador pôs em prática o sistema 4-4-2, atuando com um losango no meio-campo, com Fabinho à frente da defesa, Eduardo Ramos, pela direita, Elias, pela esquerda, e Douglas municiando o ataque, formado por Herrera e Dentinho, novamente centralizados. Desde então, foram 6 partidas (São Caetano, Marília, Santos André, Bahia, Ceará e Paraná), nas quais Dentinho fez 7 gols e Herrera nenhum.

Contra fatos não há argumentos. Ir contra o que os números mostram é remar contra a maré. Com dois atacantes centralizados, Dentinho fica mais próximo do gol e alterna com Herrera a presença na área. Neste formato, quando a bola está na direita cabe a Herrera sair da área, o que ficou claro que não sabe fazer com eficiência devido a sua limitação técnica. Ao sair para a direita para buscar jogo, o atacante fica mais distante da área, logo, mais distante do gol. Se Mano Menezes mantiver este sistema a tendência é que Herrera continue com sua seca de gols e que Dentinho permaneça balançando as redes.

Imagem:
www.estadao.com.br

8 comentários:

Lucas Renato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas Renato disse...

Fala, Zito Man.

Primeiramente, parabéns pelas observações táticas. Não é fácil ter essa percepção e você tem.

Estou enganado ou, na maioria das vezes, o Dentinho cai pela esquerda? E o Herrera centro-direita. Então, mesmo que mude o esquema tático, as posições não se alteram muito.

E o Herrera tá numa seca de gols porque ele é apenas esforçado. Ele soube aproveitar uma fase áurea que lhe cercou e marcou seus gols. Agora, já com a Série B sem tanta graça, ele não se destaca muito.

Já o Dentinho ficou uma fase sem marcar porque isso acontece com todo mundo. Até eu passo algumas partidas em branco. Mas agora ele voltou com tudo, porque esse muleque é craque. E tem que homenagear o pai e mãe mesmo quando ele marca, pois ele são umas das poucas pessoas que nos amam de verdade.

Nada de beijar a aliança pra qualquer menininha que aparece pela frente.

Falou, brother.

Thiago Fagnani disse...

Concordo com o Lucas sobre o Herrera. Esforçado, apenas. Fez alguns gols importantes, mas nada que o faça ser o mais importante do médio time do Corinthians.

O Dentinho não craque, mas joga um futebol interessante, com muita velocidade e uma certa técnica que muitos jogadores não tem.

Com relação a parte tática, fico devendo dessa vez...hahahah

Boz Zito, belo texto!!

Daniel Leite disse...

Olha, Rafael, está ótimo assim para o Corinthians. A fase goleadora do Herrera foi um achado. Ele não é aquele goalscorer dos sonhos de um time. A arte de trombar com os zagueiros, a luta intensa pela bola e a abertura de espaços para Dentinho tornam o argentino importante. Ainda mais se olharmos para o banco e notarmos Beto Acosta, inexplicavalmente mal depois de uma temporada maiúscula no Recife.

Até mais!

Alexandre Massi disse...

Zito,

O Corinthians tem que ser visto como um caso à parte em 2008.

E isso serve para os atacantes, principalmente o Herrera. O cara é argentino, logo, guerreiro.

Entendo que ele guarde sua garra para um momento em que as coisas estejam dramáticas,como ocorreu na Copa do Brasil.

Acho que o Herrea deve estar tranquilo, pois a série B não deve ser muito problema para o time de parque saojorge. Abs


PS: meu blog está fazendo um ano de vida nesta sexta e gostaria que você desse uma conferida na entrevista que fiz com o Gustavo Borges (nadador brasileiro). Agradeço desde já a sua atenção com o BLOG DO MASSI, pois vc é um dos meus leitores mais assíduos. www.blogdomassi.blogspot.com

Alexandre Massi disse...

Zito,

O Corinthians tem que ser visto como um caso à parte em 2008.

E isso serve para os atacantes, principalmente o Herrera. O cara é argentino, logo, guerreiro.

Entendo que ele guarde sua garra para um momento em que as coisas estejam dramáticas,como ocorreu na Copa do Brasil.

Acho que o Herrea deve estar tranquilo, pois a série B não deve ser muito problema para o time de parque saojorge. Abs


PS: meu blog está fazendo um ano de vida nesta sexta e gostaria que você desse uma conferida na entrevista que fiz com o Gustavo Borges (nadador brasileiro). Agradeço desde já a sua atenção com o BLOG DO MASSI, pois vc é um dos meus leitores mais assíduos. www.blogdomassi.blogspot.com

Juan disse...

Bom post como sempre. Nin sabía moito deste equipo do Brasil e agora ja sei algo máis.

Um saúdo.
http://marcador-deportivo.blogspot.com/

Felipe Simi disse...

Bom, Zito, o seu texto, desta vez, não foi novidade p/ mim. Afinal, você já havia me explicado esses 3 ciclos corinthianos. E, na hora, achei demais. Que astúcia jornalística!

Um abraço.

BlogBlogs.Com.Br